Linguística e Indigenismo

Por interesse de muitos alunos da Linguística, mas também de jovens indigenistas e de alguns amigos índios aqui do Estado de São Paulo, e também por interesse e parceria da KAMURI o professor Wilmar D’Angelis, criou uma disciplina de Atividades Multidisciplinares (AM 68), na Unicamp, com o título de “Linguística e Indigenismo”. Foi aprovada no semestre passado, e está sendo oferecida no semestre atual (está na grade do IEL e no caderno de horários da DAC). Foram oficialmente matriculados 22 alunos e se inscreveram como ouvintes 35 pessoas.

Programada para acontecer em 8 encontros, de periodicidade quinzenal (ver datas no final da matéria), a disciplina acontece no IEL – Instituto de Estudos da Linguagem – aos sábados, na sala CL-08, ds 9h30min as 13h30min, com intervalo para lanche. Cada encontro é precedido da disponibilização, previamente, a todos os inscritos, de um ou dois textos preparatórios.

Primeiros encontros

A disciplina foi iniciada no dia 11 de março (sábado), com a presença de 43 inscritos. Os temas abordados no primeiro encontro foram:

 História indígena e do indigenismo no Brasil no século XX – Parte II

                     a) O Relatório Figueiredo

                     b) A Funai na Ditadura Militar (1967-1985)

                     c) A Comissão Nacional da Verdade, meio século depois (2012-2014)

Esse conteúdo (e todo primeiro encontro) ficou a cargo do antropólogo Dr. José Maurício Arruti, professor do IFCH-UNICAMP, juntamente com  a Drª Andrea Ponce e Doutoranda Adriana Novais, ambas do grupo de estudos do professor Arruti e do Centro de Pesquisa em Etnologia Indígena, CPEI.

C:\Users\JURACILDA\Downloads\Adriana, Andrea e Arruti (1).jpg
Mesa do 1º Encontro Linguístcia e Indigenismo – Adriana, Andrea e Arruti
C:\Users\JURACILDA\Downloads\platéia.jpg
Participantes 1º Encontro Linguística e Indigenismo
C:\Users\JURACILDA\Downloads\lanche 1.jpg
Hora do Lanche

O segundo encontro do curso aconteceu no dia 25 de março, a cargo do próprio Prof. Wilmar D’Angelis, com as seguintes temáticas:

1- Precisando os Termos: Indígena, Indianista, Indigenista, Sertanista

2- História indígena e do indigenismo no Brasil no século XX – Parte I SPI (em dois períodos: 1910-1930; 1930-1967)

Calendário

Abaixo segue a informação sobre os próximos encontros. Pessoas não inscritas no curso, mas que desejarem assistir a algum ou alguns dos encontros, devem escrever email ao coordenador do curso, Prof. Wilmar D’Angelis:  dangelis@unicamp.br

08 de abril: Tema 3. Rondon, Nimuendajú e Irmãos Villas Boas: estudos de caso.
Convidado: Prof. Dr. Benedito Prezia (São Paulo)

15 e 22 de abril, feriadões (Semana Santa e Tiradentes)

29 de abril: Tema 4. O indigenismo alternativo no século XX: na Ditadura Militar (1970-1985) e pós-Ditadura (1985-2000).
Convidado: Egydio Schwade (Casa de Cultura Urubuí, AM)

13 de maio:  Tema 5. Precursores brasileiros na pesquisa de línguas indígenas (1910-1950).
Tema 6. Invasão e destruição cultural: o papel das missões e o papel do Summer Institute of Linguistics.
Convidada: Profa. Dra. Ruth F. Monserrat (Rio de Janeiro)

27 de maio: Tema 7. A situação das línguas indígenas e seu estudo nas Universidades Brasileiras nos últimos 40 anos.
Tema 8. Educação escolar indígena no Brasil e a sobrevivência de línguas ameaçadas.

10 de junho: Tema 9. Indigenismos e movimento(s) indígena(s) no Brasil: tutela, paternalismo, partidarismo, protagonismo, autonomia.

24 de junho: Tema 10. Indigenismo hoje
a) O indigenismo alternativo atual (século XXI: 2000-2016): panorama, propósitos e perspectivas.
b) Funai após a Ditadura Militar e o indigenismo oficial hoje: panorama, propósitos e perspectivas.
Convidado: André Ramos (FUNAI – BSB)